Torneios infantis: ambiente, formatos e regras

Gabriel é uma criança de 9 anos, faz aulas de tênis há alguns meses e está prestes a participar do seu primeiro torneio, que acontecerá entre os alunos da sua escola de tênis. Ele está ansioso, um pouco nervoso e com muitas expectativas para este grande dia. Bia, de 10 anos, e Enzo, de 11 anos, também participarão, mas já possuem experiências anteriores em outros torneios.

Bia treina nessa escola há mais tempo e teve ótimas experiências nas três edições anteriores em que jogou. Ela já experimentou vitórias, derrotas, jogou partidas individuais, em dupla e participou de equipes. O ambiente sempre foi de muita alegria, cooperação e compreensão entre os pais, professores e alunos. Os resultados das partidas são valorizados e comemorados, mas também outros aspectos são lembrados e estimulados, como a coragem e a importância de participar, a honestidade e o cumprimento das regras do jogo, a amizade e a boa educação entre os participantes. Ela mal pode esperar o próximo torneio para jogar bastante, se divertir e ter mais momentos memoráveis.

Já Enzo está com receio de participar, e quase desistiu de se inscrever. Ele fazia aulas em outra escola e participou de dois torneios. Sempre perdeu nos primeiros jogos e foi eliminado, ficou nervoso e não conseguiu colocar em prática o que aprendeu nas aulas. Em uma das partidas, o pai do adversário ficava falando durante o jogo, pressionando e torcendo exageradamente. Essas experiências não foram positivas para ele, e o que acontecerá no próximo torneio será determinante para o seu futuro no tênis e no esporte.

Os personagens deste torneio são fictícios, mas as realidades apresentadas estão presentes na história de muitos tenistas. Quantas pessoas deixam de praticar esportes e de competir por causa de experiências negativas e maltrabalhadas em torneios? E quantas outras, que pareciam não ter tanto “jeito” para o esporte, se descobriram capazes e perceberam o quanto pode ser legal participar de competições graças a ambientes positivos e estimulantes?

Organizar um torneio para crianças ou inscrever nossos filhos nesses eventos são decisões muito importantes, uma vez que o ambiente encontrado, as experiências vividas e a forma como os resultados serão trabalhados e valorizados influenciam de modo determinante na vida esportiva e pessoal de cada participante.

Além do tamanho da quadra e da utilização das bolas adequados para cada idade e nível técnico, os formatos da competição e da pontuação das partidas também devem ser diferentes nos torneios infantis, sendo inclusive orientados e regulamentados oficialmente pela a Federação Internacional de Tênis (ITF) e pela Confederação Brasileira de Tênis (CBT).

As competições infantis devem garantir que os participantes tenham a oportunidade de disputar várias partidas, independentemente do resultado, possibilitando que a criança passe por várias e diferentes experiências ao longo do evento. O tenista joga com mais adversários, recebe a bola de formas diferentes, aprende a tomar decisões rápidas e a lidar com as suas consequências, vence, perde e tem a chance de recomeçar e melhorar na próxima partida.

Para que isso seja possível, as partidas devem ser mais curtas, e os formatos mais utilizados são:

Quanto menor é a idade da criança, mais curta e fácil deve ser a pontuação da partida, que vai aumentando progressivamente para que o tenista se acostume com a disputa cada vez mais parecida com o formato oficial. A partir dos 12 anos, nos torneios oficiais, os tenistas competem com a mesma contagem das partidas dos adultos.

Também existem diferentes formatos para as competições, que, se bem utilizados, ajudam a proporcionar mais variações de situações para os participantes. Vejam algumas opções:

A melhor escolha depende da realidade de cada local onde irá acontecer o evento, da quantidade de jogadores, de quadras, dias e horários disponíveis e dos objetivos ou situações específicas que se deseja desenvolver ou apresentar. Não é aconselhável a criação de rankings e classificações para as crianças, a fim de que cada torneio seja um evento independente e uma nova oportunidade de jogar, recomeçar e se divertir, independentemente dos resultados anteriores.

As escolas parceiras do Sistema Tênis+ seguem esses princípios e valores com a realização dos TMCs (Torneios Multi Chance), inspirados nos modelos de torneios para crianças da escola francesa de tênis. Além de garantir várias partidas para os participantes e variar os formatos de cada edição entre torneios individuais, em dupla e por equipe, os professores, pais e alunos são formados e educados para que a atmosfera do torneio seja positiva e maximize o aprendizado, a formação esportiva e pessoal e as boas experiências entre todos os participantes. Na cerimônia de abertura de cada TMC são apresentados os valores e objetivos do evento, e como cada um pode ajudar para que sejam alcançados. Para que o comprometimento de todos seja ainda maior, representantes dos professores, dos pais e dos alunos fazem o “juramento oficial” com as regras e condutas que deverão colocar em prática.

Dessa forma, acreditamos que seja possível alcançar o objetivo de aumentar a quantidade de tenistas, melhorar o nível técnico dos jogadores e formar pessoas melhores, que levarão as lições aprendidas nos torneios para vários outros aspectos da vida. Torneios bem-organizados e bem-planejados podem reverter casos de “traumas” no esporte, como no exemplo do Enzo, prolongar e melhorar a participação no tênis de crianças motivadas e alegres como a Bia, e ser uma porta de entrada para uma escolha esportiva para a vida de uma criança que esteja começando, como o Gabriel.

Sigamos juntos, professores, pais e alunos, fazendo cada um a sua parte para o desenvolvimento do nosso querido esporte, lembrando sempre que é com as crianças que garantiremos o futuro e a qualidade do tênis brasileiro.

  Créditos das fotos: Tofu Fotos

 

Posted in Psicologia no esporte, Sobre o Tênis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *