Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades

No cenário do jogo de tênis, observamos diversas vezes a errônea associação de que a força imprimida pelo jogador no ato de rebater é uma qualidade imprescindível do jogo. Entendido desta forma, rebater de maneira potente logo é compreendido como um atributo de um jogador de qualidade, pois a velocidade impressiona a quem assiste e também a quem executa.

A aceleração é, sem dúvida, uma qualidade importante que necessita ser desenvolvida no processo de formação dos jogadores, porém há algumas responsabilidades — como indica o título do texto — sobre as quais devemos refletir e que devemos desenvolver primordialmente, antes de pensar na aplicação exclusivamente rápida do uso da intensidade.

1. Responsabilidade da inteligência

Mas, afinal, qual a finalidade de rebater forte? O motivo central é diminuir o tempo de resposta do adversário para que, dessa maneira, eu possa induzi-lo ao erro, por conta de uma bola que se golpeia com pouco controle. No entanto, rebater rápido e com qualidade (ótimo controle) é uma tarefa elaborada e pode fazer com que o feitiço vire contra o feiticeiro — caso meu controle não seja bom o suficiente para sustentar a velocidade que eu gostaria de imprimir, vou cometer muitos erros não forçados, indo na contramão da proposta de superar meu oponente.

Há dois aspectos a se levar em consideração para se rebater rápido sob o ponto de vista tático. O primeiro é o placar: compreender que obter certa vantagem para depois tomar decisões mais arriscadas irá proporcionar uma margem de segurança no jogo. O treinador Brad Gilbert, que treinou o ex-número 1 do mundo, Andre Agassi, dizia para “navegar em águas profundas” antes de tomar decisões que implicam maior risco; basicamente isso se resumia a tomar sempre dois pontos de vantagem em cada game.

O segundo critério é saber interpretar se a situação é favorável ou desfavorável para imprimir velocidade; torna-se necessário avaliar a dificuldade da bola (velocidade, altura, profundidade) e a região na qual estou me posicionando para golpear (atrás ou dentro da linha de base, ¾ da quadra, área de saque).

2. Responsabilidade do controle e da precisão

Não adianta rebater forte e fora do contexto no qual o jogo está sendo jogado (ver sobre a responsabilidade da inteligência), assim como não adianta rebater forte e errar demasiadamente ou então sempre direcionar os golpes para os lugares errados (onde o adversário ou adversária rebate de maneira estacionada ou sempre no ponto forte dele ou dela).

Por conta dos problemas mencionados acima é que vale ressaltar a frase da antiga propaganda: “potência não é nada sem controle”. Um erro bastante comum, sobretudo dos jogadores iniciantes, é querer golpear rápido e rente à rede. Tente uma trajetória mais parabólica para a bola; com isso, além de diminuir os erros na rede, você ainda vai ganhar em profundidade, atenuando a precisão dos golpes do adversário.

Agora, sobre a precisão: domine as mudanças de direção (cruzada, paralela, centro), com pouca força, inicialmente, para evitar os erros não forçados, e, paulatinamente, vá imprimindo mais intensidade: mais do que bater forte, faça seu adversário rebater desequilibradamente, movimente-o pela quadra — você vai perceber que nem precisa de tanta força!

3. Responsabilidade da técnica

Gostaria de chamar a atenção para alguns detalhes que provavelmente serão de utilidade para qualquer nível de jogador. Primeiramente: antes de rebater rápido é necessário aprender a golpear limpo — isso significa que a atenção para a qualidade de execução dos fundamentos é essencial (uma referência bastante importante e simples para ilustrar é tentar sempre golpear no centro das cordas e à frente do corpo) — e de forma combinada: é necessário aprender a golpear de maneira relaxada, e isso só é obtido através de uma correta organização corporal nos momentos pré-impacto, impacto e pós-impacto. Rebater rápido não significa rigidez truculenta — lembre-se da sabedoria popular: “não é força, é jeito”!

Meu último insight é sobre a movimentação: um dos motivos de os melhores jogadores do mundo poderem golpear a bola com muita velocidade e sem perder o controle é que eles podem posicionar-se rapidamente e de maneira equilibrada (nunca tente golpear rápido se estiver desequilibrado ou desequilibrada: a perda do controle é notória quando tentamos aplicar força destituídos de controle corporal).,

 

Resumindo:

  • Busque a solidez do controle antes da força

  • Busque uma vantagem no placar antes de tomar decisões arriscadas

  • Invista tempo para melhorar os padrões de execução técnica

 

Posted in Psicologia no esporte, Treinamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *